domingo, 30 de maio de 2010

SEM RUMO

Vou sem rumo
Tão grande o Mundo...

Balançam as ondas
Batem suaves
Na cadência das águas,

Escondem minha existência.

Um barco estremece e eleva-se,
Leva o peso de meus sonhos.

Outro barco balança
As velas ao longe,
Outro segue o seu destino.

É um mundo com sol,
Mas sem chão.

Tudo se aquieta
Num tempo derradeiro
Numa despedida de pranto.

A noite se curva de frio.

A magia do silêncio
O encanto da Natureza,
Juntam-se ao amor palpitante
De meu coração tremente.

As ondas murmuram
Leves e nuas como eu,
Tudo é uma aventura
Dos fantasmas que persigo.

E ondas prenhes de saudade
Escutam meu canto de ansiedade.

Ouço o rumor de teus passos
E meu sorriso suspenso
Sente o teu abraço.

E se entrega fremente
A esse abraço...

Onde ficou teu outro Eu?
Não respondas,
Não acuso,
Esquece

Somos Senhores,
Do nosso mundo!

Maria Luísa

24 comentários:

Janita disse...

Olá Maria Luísa.
Já começava a ficar preocupada com o seu silêncio...ainda bem que voltou!
Não imagina como gostei deste seu poema e o quanto ele me tranquilizou...por si.
"Sem Rumo" mas num doce abandono ao sabor da corrente. No mar da vida todos somos pequenas cascas de noz, navegando ora num mar encapelado, ora numa calmaria doce e serena.Resistir é sempre a palavra de ordem, porque depois..."Ouço o rumor dos teus passos/e o meu sorriso suspenso/sente o teu abraço/e se entrega fremente a esse abraço..."
"Somos senhores/ Do nosso mundo". Lindo,lindo Maria Luísa. Parabéns!
Agora, gostaria de dizer-lhe que recomecei a escrever no meu blog. Também já me estava a sentir um pouco à deriva sem ele...

Um beijo com ternura da Janita.

Imagem e Poesia disse...

Oi, lindinha poeta!
Senti sua falta!
Desejo que esteja tudo bem contigo.
Beijinhos
Ceiça

Mai disse...

Nau à deriva em oceano de saudades.
Poema dorido e repleto de imagens a flutuam.

abraços

Vitor disse...

Sem rumo por vezes pensamos.
E por vezes enganados estamos,
Olhar em frente, mesmo em pranto.
E um dia,aí pelo mundo,
A felicidade espreita já com rumo.

Bj*

Fátima disse...

Ansiedade, esperança, descrença e a luta em continuar.

Lindo poema!

Beijos,
Boa semana.

Maria Luisa Adães disse...

Agradeço a presença e as palavras amigas de:

Janita

Imagem e Poesia

Mai

Vitor

Fátima


Assim que possível, vos escrevo.

Beijos e obrigada,

Mª. Luísa

MC disse...

Vais sem rumo
E tão grande é o mundo...

Vês ao longe o teu mundo e o mundo
dos outros.

Uns barcos chegam
Outros partem,
na cadência trémula das águas
pouco agitadas.

Mas ouves o rumor de passos
e sentes os abraços
de quem chega
e afinal, não partiu...

Lindo o teu poema
e o canto dos Oceanos.

beijos, poeta amiga,

MC

jabeiteslp disse...

nostalgias

e o raio do mar que não pára
de ondear..

beijinhos e um feliz dia

Mona Lisa disse...

Mais um soberbo poema cheio de sensibilidade e nostalgia.

...e na magia do silêncio(que adoro) deixo-me embalar pelos sonhos(não sei viver sem eles), escutando o suave rebentar das ondas...

Bjs.

Maria Luisa Adães disse...

Jabei

falo de nostalgias e do bater manso
do mar.
O meu mar, no Portinho da Arrábida,

mais à frente o Oceano Atlântico.

O Portinho é uma baia, única no mundo (conheço algum mundo) e o
Atlântico ao entrar nela, em marés constantes, se torna calmo e único.

Beijo e obrigada,

Mª. Luísa

Anónimo disse...

Vais sem rumo...
as ondas balançam os barcos ao longe,
a noite se curva de frio,
escuta teu canto de ansiedade.

"Tudo é uma aventura
De teu amor palpitante."

E teus versos prenhes de saudade,
encantam e embalam
meu canto de amor,
por ti...
pelo que és,
pelo que escreves,
pelo que dizes,
e da maneira como dizes...

Caminhante numa estrada sem fim.

jabeiteslp disse...

o mar
nesses teu braços de embalar


beijinhos Luisa
feliz tarde

não conheço o Portinho
só Tróia
lá em frente por assim dizer
e acredito sim
que seja um paraíso...(*_*)

jabeiteslp disse...

é simpatia
e amizade num tanto de alegria...

beijinhos e feliz tarde

Maria Luisa Adães disse...

jaqbei

Ainda bem!

Afinal, não vais perder as asas.

És um bom Anjo e és meu amigo virtual.

Beijos e obrigada por esclareceres,

Maria Luísa

Daniel Costa disse...

Maria Luisa

Não pude de achar interessante, como em bela poesia está mais do que sintesido o ambiente tranquizado que, por força, se vive em pleno oceano.
Conseguir isso é garantia absoluta de se ter escrito um boem poema.
Daniel

Lídia Borges disse...

Maria Luísa é muito bonito o que escreve...
Andar à deriva é o rumo do poeta.
Que as tempestades lhe sejam suaves.

L.B.

jabeiteslp disse...

só desejar uma muito boa tarde

e sim
acho ser mesmo imenso
e o lugar
não necessitas
pois fazes parte dele...(<*_*>)

beijinhos

LHÚ WEISS disse...

Cara amiga! Obrigada por passar por meu blog.Adorei o seu e vou te seguir.e tem como não seguir a seguidora de Dalí? estou e vou passar sempre por aqui!
Abraços,
Tua seguidora
Lhú Weiss

tossan® disse...

Navegas triste, porém com a belíssima poesia suave, mas não se esqueça que somos senhores do nosso mundo e stamos no leme da nau. Beijo

Janita disse...

Olá Maria Luisa.
Só hoje tive oportunidade de vir, calmamente, agradecer-lhe o seu comentário e conversar mais um pouco consigo. Os últimos dias foram muito cansativos para mim, em virtude de esta ser uma semana de apenas três dias de trabalho e eu ter muito serviço para organizar no escritório, já para não falar de enxaquecas e insónias...
Felizmente que vou ter 4 dias de "dolce farniente" e aproveitar para pôr em dia os comentários que tenho em falta com os amigos. Começo por lhe dizer que afinal também temos em comum o gosto pelo filme "O Paciente Inglês" com o soberbo desempenho da Juliete Binoche. Não lhe fiz referência, assim como não referi tantos outros que gosto muito,nomeadamente,os clássicos: E Tudo o Vento Levou e Doutor Jivago. Relativamente à sua pergunta, devo dizer-lhe que não sabia, mas que gostei muito de saber e sobretudo que mo tivesse dito. Também gosto de si e algo me diz que vamos criar uma amizade para valer. Quando puder, veja o meu "Improvisador de Sonhos..." ele é um poeta que mora no meu coração há muitos anos...
Um beijo amigo da Janita

MIGUXA disse...

"Sem Rumo"

"É um mundo com sol mas sem chão"

E como é bom recordar momentos de prazer, de extâse quase divino, vividos olhando o azul profundo das águas...corpos escaldantes...sem destino...

Belo!!

Beijos
Margarida

rosa-branca disse...

Lindo poema querida amiga. Os sonhos pesam,mas esse coração tremente ama cada vaga cada murmurio e acaba por ficar na magia do silêncio. Lindo. Adorei. Beijo com carinho

afonso rocha disse...

Não conhecia o teu blogue...
acho interessante a tua fascinação por DALI...
Tb gosto.

AFRICA EM POESIA disse...

minha amiga

vim deixar um beijinho

Dia da Criança.


Deveria ser só para que as crianças nesse dia tivessem um dia totalmente de dicado a brincadeiras e divertimemtos.
Mas...Esse dia é para RELEMBRAR os direitos das crianças e alertar para o que o mundo faz às nossas crianças...

Eu não me canso de escrever e gritar esta desigualdade...
Pouco ou nada se consegue..
Mas pelo menos espero que se pense no assunto...

Esta desigualdade dói
muito...


Um beijo