domingo, 18 de abril de 2010

CLARÕES


Nas horas do entardecer perfumado,
Nas tardes procuradas e sentidas,
No silêncio de íntimo Fogo
Ardente...
Eu abro as janelas fluorescentes
Pintadas,
Pelo acender dos clarões das rosas
No meu jardim isolado.

E vejo deslumbrada a Luz
Dos clarões
A transformarem-se
Em figuras geométricas,
Desconexas
E dançarem.

Ao longe toca uma guitarra!

Os clarões tomaram o Tempo
Iluminaram
Num gesto leve
As rosas de mil cores
E cantaram...

Ao longe toca uma guitarra!

Fizeram amor de quimera
Com alegria,
Plantaram flores de nostalgia
Rolaram uns sobre os outros,
Transformaram...

Ao longe toca uma guitarra!

E ninguém os via...

Mas eles - são clarões de luz e fogo
Transformados em humanos
Perdidos,
Distorcidos,
Esquecidos.

E ninguém os via
E a guitarra gemia!

Tomaram conta da Noite,
Dos seus Fados
Cantados
Ao som dessa guitarra
Que tocava ao longe,
Não se sabia onde...

E ninguém os via!

E como clarões que eram
Brilharam
Nos recantos,
Onde o Amor impera!

Cansados retornaram
Ao jardim solitário
E esquecido,
Ficaram a esmorecer
Com o aparecer do Dia.

Ao longe uma guitarra tocava
Em som gemido...

O meu mundo estremecia
Dessa noite de encantar
A terminar
E o aparecer do dia...
Clarão não havia
E o som da guitarra
Se perdia...

Mais um dia!

Maria Luísa

26 comentários:

Pelos caminhos da vida. disse...

Hoje à partir das 18hrs meu blog:

Pelos Caminhos da Vida,

estará participando da COPA BLOG, venho por meio dessa msg pedir um voto pra vc, a votação vai até o dia 21/04, o site para entrar e votar é esse aqui;

http://dado.pag.zip.net/

Obrigada.

beijooo.

RETIRO do ÉDEN disse...

Venho agradecer a visita a comentário no nosso "retirito"...assim como a solidariedade por este caso tão dramático dos nossos queridos amigos.
Agradeço de coração toda a oração possível a DEUS nosso PAI.
Abraço
Mer

Ana Lucia Franco disse...

Maria Luisa, muito linda tua poesia.

abraços!

KrystalDiVerso disse...

É o Fado!... É o fado da nostalgia acompahado pelos nostálgicos gemidos de uma guitarra que... geme de saudade!... Como um fogo-fátuo acontecendo na separação do tempo, da carne que arrefece e da Alma que queima!... Esse Fogo-Fátuo que dança ao som da nostalgia de uma Guitarra que geme notas de saudade!...
É Admirável o Fado!



Boa Semana



Escolha entre... beijos e abraços

Maria Luisa Adães disse...

kristaldiverso

O poema saíu assim,
mas podia ser cantado
como fado - é uma verdade1

Bem analisado.

obrigada por escrever.Escolho abraços.

Um abraço,

Maria luísa

MC disse...

clarões

Cheira ao perfume, às luzes da noite, em jardins encantados.

lindo o teu poema!

MC

Anónimo disse...

Alguém viu neste poema o cantar do fado nas vielas.

Podia acontecer! Mas eu o vejo como um poema muito original. incomum, belo.

Anthos

Graça Pereira disse...

Maria Luisa
Como a chispa no acender do lume de mais um dia e entre clarões....há versos que choram como uma guitarra, talvez cinzas ainda quentes de um passado que alguém dedilhou...memórias de um tempo a rescender a rosas... e o amor rendilhado de filigrana envolto no xaile negro que a madrugada destapou...
Não sou eu que o digo...são os seus versos que falam!!!
Lindo poema!
Beijo carinhoso
Graça

Amor feito Poesia disse...

Olá amiga!

Aquilo que está escrito no coração não
necessita de agendas porque a gente não esquece.
O que a memória ama fica eterno.

(Rubem Alves)

Um beijo no coração!

Maria Luisa Adães disse...

Graça Pereira

Estive e deixei comments no seu blogs.(Veja blogs, por favor).

A forma como define "Clarões" está
de uma beleza incontestável e eu
agradeço sua sensibilidade, ao escrever como escreve.

Um abraço e adorei!

Maria Luísa

Maria Luisa Adães disse...

"Amor feito poesia"

Agradeço Rubem Alves no meu blogs
e sua presença que o trouxe, junto com sua sensibilidade, até mim.

Um beijo,

Maria Luísa

jabeiteslp disse...

e mais um dia
mais um poema
mais umomento por tema...

tambem mais um
que do encanto da palavra
deseja uma feliz noite

ao melodiar de guitarra sem parar

beijinhos

Miguxa disse...

Maria Luísa,

Belo e envolvente o teu "Clarões"

É o fado da vida que toma conta dos acontecimentos, que nos condiciona e não nos liberta...

Beijos
Margarida

jabeiteslp disse...

pois acredita
Angola e Moçambique
não matei
salvei...

e uma frase que disse
"A VIDA É UMA AVENTURA"
a uma pergunta que fizeram
de um teste escrito
ao entrar
penso que foi um privilégio
sentido por mim militar

trataram-me muito bem...

se soubesses... beijinhos

foi mesmo uma aventura
em Africa

jabeiteslp disse...

e em ar de explicação
em 1990
um acidente enfiou-me na cama
quase 10 anos
e aquilo que tinha por hobby
desenhador de aviões
e mecânica aeronautica etc...

levou-me a esses píncaros

só que não ganhei um tostão
azarento que sou

ou a minha idade retida
na juventude
coisas...

beijinhos
já estou a dar uma seca
do caraças...

Maria Luisa Adães disse...

Joca

Não sabia desses teus dotes e de teu tempo de doença.
Em 1990 mais 10 anos chega ao ano
2000.

Muita coisa perdeste por esse tempo.

Eras engº de aeronáutica? Desenhador ou coisa no género?

Meu pai, era Capitão de Fragata, na
Marinha Portuguesa.
No tempo do Ultramar, (quase no final) estava no Alfeite como 2º. Comandante das tropas que continuavam a partir.

Foi uma época complicada!

Então foste um militar e tens a tua
história sombreada, com esse acontecimento nefasto, de 10 anos.

lamento muito por ti e tua familia.
Sempre me pareceste um folgazão a
esconder uma fase de grandes sofrimentos na vida. Senti isso!
Não me enganei!

Não deste uma seca. Eu gosto de conhecer as pessoas e analiso
comportamentos humanos.

Sempre me pareceu que toda essa brincadeira, escondia um acontecimento triste a esquecer.

Podes conversar comigo sempre que queiras.
E no google não temos ninguém a espiar o que escreves e o que eu
respondo.
Coisa que não acontece, no prosa-poetica.
Aqui não tenho vigias! É uma história longa que não interessa.

Obrigada, por abrires um pouco, do
teu biombo do Ultramar e da tua
profissão.

beijos,

Maria Luísa

Anónimo disse...

Clarões

É um poema cantado, ao som de uma
guitarra que geme seu canto, ao longe...

Talvez seja un fado amargurado
de alguém, esquecido e perdido.

Belo seu poema!

Abel

Anónimo disse...

Clarões

Canta recantos e vielas
em tempos de Marialva.

Talvez seja um fado, de alguém
perdido e esquecido.

Belo seu poema

Abel

Agulheta disse...

Maria Luísa.
Aqui venho a tua amiga,fico feliz por partilhar contigo este espaço,como podes ver à algum tempo ando por aqui,embora nunca deixe os meus blogs no sapo.
O teu pomea é divinal e gosto por muitas coisas que me tocaram.
Volto sempre aqui para te ler.
Beijinho de amizade Lisa (maripossa)

Maria, Simplesmente disse...

Ao entrar aqui e ver logo uma das obras que me encantam de Salvador Dali, "Gala à janela", pareceu-me que será um Blogue que irei gostar, mas gosto de ver com tempo para apreciar.
O meu obrigada... e voltarei.
Maria

Pelos caminhos da vida. disse...

MOMENTO DE AGRADECIMENTO.

É muito gratificante cada vez que abro a página do meu espaço e encontro meus amigos por aqui.
Cada visita, cada comentário, mesmo que seja um simples OI me dá uma satisfação grande em continuar abri-la diariamente.
Vocês enriquecem meus dias.
Me esforço a cada dia para somar emoções com vocês, e as vezes nem respondo à altura.
A quase dois anos de blog, cresci muito, aprendi muito, devo isso a todos vocês meus amigos e seguidores.
Não importa o sexo, religião, valores e sim a dedicação diária em comentarem no blog.
Tenho um respeito enorme por vocês.
Obrigado por vocês existirem.
Obrigado a todos vocês amigos e seguidores que votaram no meu blog. Se ele chegou até aqui devo tudo isso a vocês.
Obrigado por vocês caminharem junto comigo "Pelos Caminhos da Vida".
Vamos aguardar a próxima votação.

Ana.

Fique com Deus.

beijooo.

Beites disse...

comentei
a tua resposta

e nada....

vamos ver se este fica

o problema em si
e vão 23 anos ou 25
por aí
que estou vigiado
leem-me o pensamento...

eu não gosto de falar nisto
mas disto
meia duzia de vezes
já me tentaram matar

a ultima 10 anos de cama
por assim dizer...

só que tenho aquele dom
e aquela percepção
e foi de um milagre
bom e bem são...

e não é do sapo
é o meu pensamento
que leem
acredita
pois tentam inimizar
tudo ao meu redor...


já sabes o segredo

eu não passei de soldado
queria ser piloto
mas não tinha idade
etc...

desenhador
mecanica aeronautica e submarina

que se quiseres um missil
ou um torpedo
passo-te os planos sem medo...

o unico que não seguiu
pois na familia são quase todos
marinheiros
fui eu...

coisas da vida

beijinhos
e cuidado contigo
pois sabem o que estou a escrever
ou pensar...

Daniel Costa disse...

Maria Lusia

Da tua poesia muito profunda deduzi que apreciarás o ambiente criado por uma sessão de fado. De facto, ao ler deu-me a sensação de estar a viver um sonho pós a ter vivido. Belíssimo o poema pois.
Fiz a leitura do poema no espaço Sapo, tenho lá também blog que está abandonado. Tendo passado a dedicar-me apenas ao blogspot, além do dois, que mantenho no espaço semanário Sol, deixei também de fazer comentários ali. Gostei e espero vir a escrever aqui mais comentários, como convido a uma passagem por - daniel milagre - neste mesmo perfil. É lá que publico toda a minha poesia.
Beijos
Daniel

Mona Lisa disse...

Olá Luisa

Obrigada pela visita tão simpática ao meu "cantinho".

Adorei o poema.
Acho-o de uma beleza melancólica...quase um "choro"...como o fado...a saudade!

Bjs.

Daniel Costa disse...

Maria Luisa

"milagre" não nasceu por acaso. Aconteceu comigo como que um milagre, mas da vontade de sobreviver, pelo gosto pela vida.
Bjs
Daniel

Graça Pereira disse...

É de noite que mais facilmente ouço o roçagar das aves que trago dentro e me derramo nas palavras. Olho o relógio no momento que escrevo estas linhas e vejo que passa muito da uma hora da manhã. É neste silêncio que as palavras se apoderam de mim e assomem todas ao terraço da minha alma. Se lhes der liberdade nunca mais me largarão e farei o que elas quiserem...mas, antes que me apanhem vou fugir pelos olhos e adiá-las para outra noite...
Beijo
Graça