quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

PARIS

Tento falar de Amor                  
Internet! Homenagem!

tento deixar alegria
e coisas lindas escrevo...

Mas o mundo neste momento,
está nas mãos diabólicas
de quem mata e mente

Paris
um Jornal Satírico
Símbolo da Liberdade
sofreu ataque
de quem desconhecemos

E matou doze pessoas
e feriu, não sei quantas...
para vingar "o profeta"

Qual profeta?

Paris está em alerta máximo
o mundo, como eu, está triste
Profundamente triste...

Tudo quanto escrevo
é ilusão perfeita, mas minha
...mas não dou felicidade nem amor
  
E o mundo vai morrendo
Por aqui e por ali
e as pessoas mortas, feridas

São tratadas como seres inúteis
Como folhas de papel ao vento...

Não há quem nos liberte
E o Mal comanda o mundo!

E eu que escrevo?

Poemas, prosas que cheiram a rosas
tão minhas...
mas inexistentes!

Quem são eles
E quem sou eu?


Visualizações:  100

 Maria Luísa

32 comentários:

Lídia disse...

QUEM SÃO ELES
OU QUEM SOU EU?

OU ENTÃO COM TUDO ISTO ONDE É QUE VAMOS CHEGAR!!!

DESEJOS DE BOM ANO

1 BEIJINHO LÍDIA

Maria Luisa Adães disse...

Lidia

Me parece um assunto demasiado complexo. Mas quem escreve se sente, sempre, tentado!

Mª. L.

Maria Luisa Adães disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Santa Cruz disse...

Maria Luísa gostei apesar que esse ataquei é bastante triste. este mundo está totalmente perdido.
Beijos
Santa Cruz

Jorge disse...

O mundo está cada vez mais virado às avessas, sem rumo definido... Mudar o mundo é dificil, resta-nos a esperança de ser sempre possível.
Um abraço,
Jorge

Amizade disse...

Amiga Maria Luísa,

Passando para desfrutar de toda esta beleza e poesia e para te desejar muita felicidade neste novo ano que acaba de se inicar.

Aproveitamos para te informar que já iniciámos o desafio que faz parte das mudanças e novidades que queremos introduzir no nosso Farol.

Contamos com a tua presença e participação nesta iniciativa que julgamos irá aproximar-nos muito mais e fortalecer os nossos laços de Amizade.

Beijinhos dos amigos,

Argos, Tétis e Poseidón

emanuel moura disse...

O mundo em constante transformaçao onde o odio cada vez ganha mais relevo ,nao se trata de religiao trata-se de fanatismo de pessoa cheias de maldade no coraçao ,usam a religiao para atingir os seus fins ,ja que eles proprios matam muçulmanos ,um poema actual que demonstra toda a imperfeiçao do ser humano,beijinhos

Maria Luisa Adães disse...

emanuel moura

Grata por seu comentário a este poema!

Traduz o meu lado social
E se escrevo
que seja o que sinto
em relação à humanidade!

Abraço e obrigada,

Mª. luísa

Cidália Ferreira disse...

maravilhoso..

Beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Franziska disse...

Es la presencia del Bien y el Mal en la vida de los hombres, es una angustia que llevamos en el alma y que desde siempre se ha querido explicar. El bien vive en nosotros si optamos por su compañía, el mal nos destruirá y nos hará ejecutores de su mal. Y todo es una opción de nuestra mente. Uno de los mayores beneficios que obtiene el Mal es hundir nuestra vida en la desesperación y hoy por toda esa conmovedora matanza de París, el Mal se ha adueñado de nuestra inoceencia y de la escasa felicidad de la que podemos disfrutar cuando conseguimos olvidarnos del Mal. Hoy estamos de luto y es con lo que el Mal consigue castigarnos porque nos está diciendo que hagamos lo que hagamos, digamos lo que digamos, siempre alguno de nuestra especie, estará haciendo daño.

Hay que levantar el corazón de los hombres y llenar de rosas ese lugar que ha sido mancillado con la sangre de personas que, simplemente, pensaban de otro modo y que querían defender su libertad para decirlo. Ojalá estos fueran los últimos muertos por ejercer la libertad de expresión.

Hay que mandar rosas y encender belas, el mundo entero debiéra de pedir que se colocaran flores en honor de esos seres tan injustamente tratados: hoy el mundo es un lugar peor que fue ayer.

Un abrazo. Franziska

Manuel disse...

Eles são almas diabólicas, doidos sem sentimentos. Ignorantes. infelizes que vivem na esperança do nada.
Mas é triste e preocupante. Para onde caminhamos?
O mundo tem que dar uma resposta e deixar as palavras ocas.

Elvira Carvalho disse...

Chocante amiga.
Como é que alguém pode matar friamente em nome de uma religião?
Um abraço

Gracita disse...

Boa noite Maria Luisa
Assistimos uma barbárie em nome da religião? Fanatismo criminoso! Ceifar vidas inocentes. É revoltante!
Para onde caminhamos? O que esperar da humanidade?
Muitas preces... talvez possam atingir esses corações desalmados
Uma belíssima descrição poética de um acontecimento tão grotesco
Beijos no coração amada

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida maria Luisa
É um balde de água fria no coração dos que promovem a paz pelo mundo inteiro.
Tantas vidas oferecidas pela paz mundial... Deus se apiede!!!
Bjm festivo de 2015

EU disse...

"E o mundo vai morrendo
Por aqui e por ali
e as pessoas mortas, feridas"

Muito bom teres escrito, hoje, sobre algo sempre terrível; apesar de conhecermos esta(s) realidade(s), chocam-nos estas mentes fechadas, radicais, que matam invocando um nome em vão.

Nunca é demais, senão mais do que urgente, educar para a tolerância (por isso relevei esta parte do poema), num mundo cada vez mais individualista e selvagem.
(E nunca é demais escrever...)
Bjo, Luísa

(Aproveito para agradecer o comentário/poema que me deixaste no blogue)

Graça Pereira disse...

Querida Amiga

A luta entre o mal e o bem, é antiga. Existe desde que o mundo é mundo...depende de nós ( sim, de nós) alterar um pouco este mal estar. Hoje, morreram heróis pela liberdade, pelas ideias claras e concisas. O seu sangue espalhado com selvajaria ,não será em vão. Mas é preciso reagir enquanto a matilha é uma minoria!
Tanta vez o papa Bento XVI foi ridicularizado pelos mesmos cartoonistas e os cristão riram-se porque foram educados na tolerância. É esta virtude que falta a estes"soldados fanáticos"...
É preciso que continues a semear poesia e da boa, por estes caminhos da blogosfera! O mundo precisa, cada vez mais, de poesia!
Gostei do teu poema que sinto como uma homenagem aos heróis do 7 de Janeiro!
Um beijo amigo
Graça

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Maria Luisa!

Sobre tema tão delicado e em espaço tão curto, o que me ocorre dizer é que é imensamente triste e lamentável o rumo que este mundo vai tomando.Mas que para mim tampouco é surpresa, olhando ao estado de guerra - com centenas de milhares de vítimas inocentes- em que nos últimos anos temos vivido...

Um abraço e boa saúde.
Vitor

Maria Luisa Adães disse...

Agradeço a todos!

Maria luísa

Evanir disse...

Querida Maria Luisa.
Lamento dor e pranto esta a tão bela Paris.
Luta triste e desigual sem direito a defesa é morrer sem poder gritar .
O ódio parece estar tomando conta do Mundo com certeza nunca leram que somos todos irmãos.
Em nome de uma religião ultrapassada
que permite sair tirando a vida de tantos inocentes deixando um rastro de sangue , e um mal exemplo para o resto do mundo.
Amiga .E com tristeza na alma que vejo tanta tragédia penso como será a sorte dos nossos netos e minha bisneta.
Que Deus te abençoe sempre.
Beijos no seu doce e terno coração.
Até Sempre.
Evanir.

Graça Pires disse...

Não tem justificação. A liberdade e a vida têm que ser respeitadas. Sempre.
Um beijo.

Mar Arável disse...

Roubem-me tudo menos a liberdade

Franziska disse...

Qué hermoso es tu corazón querida María Luisa que has sembrado unos instantes de mi vida con tus emocionantes versos. Es un regalo valioso e inmerecido por mi parte que guardaré entre lo más valioso de mis posesiones espirituales, gracias, gracias, eres para mi como la cantarina fuente, eres como la luz que llena de vida todo lo que toca. Un abrazo.

Rainha disse...

Pois é, Luisa, e nessa hora acaba que me torno Charlie, judia, maometana, branca, negra, asiática.... Sou gente.
beijos.

José Ramón disse...

Maria Luisa triste tragédia Obrigado por suas visitas e ainda mais para estar na lista de novos seguidores. Cumprimentos felizes de-semana

Andreashide disse...

Maria Luisa, tus palabras tienen la magia precisa para hacer sonreir el alma. Un abrazo y mil gracias por tu poesía

fernando disse...

Mar Arável

- Roubem-me tudo menos a liberdade -

Retórica Bem Bonita!
Mas que o Senhor Eufrázio Filipe. Não aplica!

Visto que me roubou a minha Liberdade de PENSAR!
Me bloqueando em Mar Arável.

-x-x-x-x-x-x-x-x-

PARIS

Com alguns versos. Bem Poéticos.
Mas em alguns lugares. Nota-se que ML está um pouco pessimista quanto à sua pessoa.

Espero que não me vá Bloquear.

Quando não se ataca a Privacidade, a Integridade e não se Calunia o Auto/a. O que eu não fiz. Tenho o Direito de Comentar (assim é na terra onde vivo) o que se Escreve Publicamente nos Blogues.
Espero que ML não me bloquei.

Assim fazendo: Tanto Mar Arável como Sete Degraus. Cometem um Crime: Contra. Freedom of Thinking, Freedom of Speech and Freedom of Writing. E não honram os que foram mortos, em Paris, devido à sua Liberdade de Pensamento.

Boa continuação do 15.

João Fernando Cardoso

Maria Luisa Adães disse...

Fernando

Não bloqueio ninguém
e o que escrevi nada tem com a minha vida.

Estou no Brasil, com um calor incrível e a notícia me tocou profundamente...
Escrevi o que senti em homenagem aos que morreram. Eu sou versátil no escrever, mas escrevo o estar no mundo dos outros, não o meu!...

Não estava em Paris (felizmente) quando se matou para "vingar o
Profeta", mas escrevi, porque senti a dor dos outros!


Eu sou assim
E Fernando é como é
e por isso,
somos amigos!

Nada a dizer...

Agradeço, sempre, sua presença!

Maria luísa

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Maria Luisa!

Não é meu hábito comentar os cometários que saõ feitos ao que escrevo,mas hoje abro uma excepção para o fazer:Para dizer que gostei muito do que lá escreveu, da lucidez, profundidade e visão com que o fez.
Bem mais fácil (mas também enganador)é ficar pelo superficial, apenas ver aquilo que outros querem que vejamos...como tanto no mundo de hoje acontece.

Um abraço
Vitor

Mar Arável disse...

Senhor FERNANDO

o meu espaço é público
Apareça. Não diga disparates.

Maria Luisa Adães disse...

Fernando,

Somos todos amigos

não há bloqueios

Vem até nós!

Abraço

Maria luísa


poesia de vieira calado disse...

Saí de Portugal, quase "a salto" e cheguei a França.
O sentimento de liberdade que senti,,, é indescritível.
Só o entenderá quem tiver vivido amordaçado, no seu próprio país, como era o meu caso...
Até um livro meu foi proibido pela Censura...
A Liberdade é um dos maiores bens.
E a nossa acaba, onde começa a dos outros...
Por isso, estou com os franceses para quem regulam os valores da República.

Julia L. Pomposo disse...

En nombre de los dioses se hacen muchas barbaridades. Un homenaje muy hermoso a las víctimas de París.
Besos