terça-feira, 7 de outubro de 2014

Espelho III

Chegou o tempo                 
Maria Lais Fett/ Brasil

Tenho de acreditar

Dourados são os mares
Que vejo ao longe

E as flores
O crepúsculo no tom opala
De nuvens a passar

Chamei o espelho
Sentado sem temor
E lhe disse, vem!

E ele veio
E continuou a dizer
  
 "Tu não és nada"

Eu aceitei
O olhei
Refleti nesse dizer

Compreendi...
Ele diz a verdade

Ele se parte e morre
Eu morro
Temos o mesmo destino

Somos iguais!...



Maria Luísa Adães


Visualizações :  167

7 Outubro 2014

26 comentários:

emanuel moura disse...

Belo momento de reflexao ,nada somos com certeza apenas materia que se corrompe e se desfaz com o tempo ,espelho e corpo sao irremedialvelmente finitos ,muitos beijinhos

Arco-Íris de Frida disse...

O espelho nos reflete... por isso a finitude de ambos...

Beijos...

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Lindo e bem reflexivo amiga Maria Luísa,obrigada pela visita e comentário.
bjs
Carmen Lúcia

Mar Arável disse...

Iguais?

Diferentes
do ventre até à foz

Cidália Ferreira disse...

Um poema maravilhoso! Adorei

Beijinhos
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Evanir disse...

Boa Noite Amada Amiga.
Maria Luisa.
Agradeço de coração sua visita no meu blog .
A continuação do seu poema faz parte da vida infelizmente.
Ele não tem piedade revela com estranha frieza nossos anos passados ,
que nem sequer damos conta o quanto nossa face mudou.
Só não consegue mudar nossos corações quando amamos de verdade.
Amiga..espero em Deus e conto com Deus para vc estar aqui novamente.
Dessa vez vai encontrar vinho já comprei e vamos brindar nossa felicidade .
Amo você doce amiga ..
Beijos no coração..
Até Sempre.
Evanir.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Olá Maria Luísa,passando para agradecer o seu comentário no meu poema,lá no blog do Viviani.
bjs amiga
Carmen Lúcia.

Anónimo disse...

"Somos iguais"...

Tu dizes e eu não aceito!

Tu és pessoa, com sentimentos repletos de amor

Ele é um espelho camuflado que muitas vezes traduz verdades distorcidas, perdidas, sem nexo, sem alma!

Mas o poema é lindo, como só tu o podes escrever e sentir!

Isto é o que vejo, por detrás das palavras!

An.

Vanuza Pantaleão disse...

Finitos no corpo, mas e o espírito? Será que o espelho nos revela tudo?
Muita coisa podemos refletir e inferir daqui.
Beijos!

Graça Pires disse...

O espelho a devolver a imagem do que sonhamos ser...
Beijo.

Verinha Portella disse...

Estimada Maria Luiza!!


Amei conhecer teu blog, gosto demais da sua linha de trabalho, estive no "vendedor de ilusão" no prosa poética, e comentei, pois amei a apresentação sua, mas acho que você se enganou...meu blog é " meu céu da felicidade e não, "coração tagarela" que aliás, adoro, mas só compartilho do google mais. Um beijão e parabéns pelo teu belo trabalho.

Lu Nogfer disse...

Ola Maria Luíza,

Passando para lhe parabenizar pelos belos versos no Prosas Poéticas!
Parabéns pela belíssima participação!

Quanto ao teu espaço, gostei muito! Belissimo e poético!

Um abraço!

Zilani Célia disse...

OI MARIA LUÍSA!
MAIS UMA BELEZA DE TEXTO.
SEMPRE MUITO BOM TE LER.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Anónimo disse...

Concordo, com o que An. Disse acima.

Eu acrescento: Já é tempo da Musa Adães de quebrar os Espelhos e Enterrá-Los, de una vez!


Am

Hanna Xesco disse...

El espejo refleja quienes somos..
Muy bueno y reflexivo. Besos

Vanuza Pantaleão disse...

Quem melhor pode definir o que escreve? O próprio escritor. Defina-o você mesma.
Não lance desafios que só a ti competem. O que lemos acima? "Deixar o seu comentário"
Comentário é uma forma superficial de se falar de algo. Pessoalmente, não me agrada essa ligeireza, mas o pouco tempo de que dispomos nos obriga a sermos rasos na compreensão das metáforas expostas.
Mas, gostei que tenhas me chamado, só assim exercito um pouco o meu lado de crítica literária.
Um bom domingo, querida amiga!Bjs

Franziska disse...

Sí es verdad pero somos una nada que trasciende, incluso a nuestro pesar, nosotras las mujeres stransmitimos la vida y nos quedamos en las futuras generaciones y los reflejos de los iris de los hombres amados, también llegarán a otros nuevos seres. Es verdad, hemos de morir sí pero algo permanece.

Te paras a buscar la verdad y cuando la encuentras, siempre te corprende la voz del espejo.

Me gusta mucho este poema y no he tenido necesidad de traducirlo, hoy ha sido más fácil de entender.

Hasta el próximo poema que espero sea pronto. Un abrazo. Franziska

manuel marques Arroz disse...

Saudades daqui.

Bjos.

José María Souza Costa disse...


Olá, Maria Luísa.

Amanhã, é um novo tempo.

Todo tempo, é de reflexão. E este, nos convida sempre, à reflexão. Sobre o dom da Vida, por exemplo.
Feliz tudo.

Amatista Amatista disse...

Muy bellos tus versos,saludos,Amatista

Manuel disse...

Os seus poemas são momentos que ficam e nos fazem pensar.
Esses espelhos podem ter o mesmo destino, mas nós ficamos nas memórias e deles nada vai restar.

Manuel disse...

Os seus poemas são momentos que ficam e nos fazem pensar.
Esses espelhos podem ter o mesmo destino, mas nós ficamos nas memórias e deles nada vai restar.

O Árabe disse...

Percorri, amiga, os teus belos espelhos... que tão bem refletem o que existe em nós! Gostei muito, e te desejo uma boa semana!

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Maria Luisa!

Está muito bem construída esta metáfora, com um espelho promovido a oráculo, capaz de ler o nosso destino.Mas daí a sermos iguais, acho que tal conclusão tem muito de lisonjeira para ele...

E depois,como lá diz o ditado, "atrás de tempo tempo vem".

Um abraço e boa semana.
Vitor

Toninho disse...

Estamos sempre a nos procurar e refazer nossos sentimentos, buscar os elos perdidos, corroídos no tempo, na distancia e nos encontramos sós diante do espelho da vida, nada cristalino.
Aplausos Luiza pela arte fina e bela.
Abraços de paz e luz.
Beijo

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Poesia sensual e cativante.