segunda-feira, 25 de agosto de 2014

NINGUÉM

Como um golfinho                                                       
Internet

Que pertence ao mar e à terra
Eu escuto teu canto de amor.

Sei,
Não te vou encontrar
Mas se alguém passa
Pergunto por ti.

Perdi amigos e família
E os encontrei
Na elegia do mar

Os saudei,
Mas eles se afastaram
Em passo apressado

O silêncio invadiu o ar
Olhei o mar
E fiquei em sua companhia

Olhei e tentei
Reconhecer meu rumo
E alguém a quem saudar

Mando-te um som de vida
Solitário, arrependido, exilado
E descubro fui eu que mudei!

Eu não pertenço a ninguém
De ninguém eu fujo,
Mas mudei
Fui eu que mudei!

Aqui fica a minha voz de amor
Quem me escutou
Quem se encantou
Quem me procurou

Ninguém!...


Maria Luísa Adães

Visualizações : 171

Agosto de 2014

25 comentários:

✿ chica disse...

Linda e tristonha poesia! Sempre bem inspirada! bjs, tudo de bom e uma semana linda! chica

Bell disse...

Adorei, me vi nos seus versos.

bjokas =)

Cidália Ferreira disse...

Boa tarde
Entrei, e gostei muito do que li.
Fantástico poema, um pouco triste, mas são os mais belos. Adorei

Tenha um dia Feliz
Beijo

Se desejar visitar, é aqui.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Maria Luísa! Passando para te cumprimentar e me deliciar com a leitura de mais uma das tuas belas criações.

Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Oi Maria Luísa,vejo sempre em seus versos um fundo de tristeza.
bjs amiga
Carmen Lúcia.

Vanuza Pantaleão disse...

Oi, Maria Luísa!
Fico-te muito grata pelo incentivo que me trouxeste.
O teu poema é um cântico de amor e solidão, mas nos enternece, pois deslizas com maestria pelas palavras e sensibilidade feminina.
Sempre aqui quero estar para apreciar sua obra, seu meigo poetizar.
Beijos, amiga!

Guaraciaba Perides disse...

Lindo poema de ausência sentida na alma...no eterno fluir e refluir das ondas e dos sentimentos. Música perfeita para as palavras de melancolia.
Um abraço

Luma Rosa disse...

Oi, Maria Luisa!
Gostei especialmente desse poema. Acho que a nossa atenção sempre é atraída para aquilo que nos falta e se não estamos atentos, somos levados para um redemoinho que nos afasta daquilo que realmente almejamos. No final estamos sempre sozinhos com os nossos "eus" que a cada dia muda. Ainda bem!
:)
Beijus,

emanuel moura disse...

Um poema apesar de triste e simplesmente belo como voce o escreveu ,muitos beijinhos

Jose disse...

Todos estamos aquí porque queremos escucharte y como no también leerte, para saborear, esos deliciosos verso que hablan de amar.


Saludos

Evanir disse...

Maria Luisa.
Pouco tenho conseguido fazer visita
,mais sempre que posso venho deixar um carinho.
Desejo uma abençoada semana.
E quem sabe ate Sempre;
Evanir.

Gracita disse...

Olá maria Luisa
um belo hino ao amor solitário e triste. Lindo ler teus maravilhosos poemas.
Beijos

irene alves disse...

Minha amiga desejo que se encontre
bem. Mais uma belíssima poesia
que eu vim encontrar.
Um beijinho da
Irene Alves

POETA CIGANO disse...


Querida amiga e poetisa Maria Luísa !!!!!!

Passando por aqui para deixar o meu abraço e carinho e, ao mesmo tempo,Deleitar-me com a beleza de seu Blog e conteúdos. Belíssimo Poema. Adorei. Muito lindo mesmo. Perdoa-me a demora na visita,tenho estado muito atarefado. Quero também
Desejar-lhe um lindo dia e maravilhosa semana,com muita paz, amor e felicidade em seu
Coração. É o que lhe desejo!

Beijos de luz !!!!!!!!

POETA CIGANO – 26/08/2014

http://centelhaspoeticas.blogspot.com

“Meus Sonhos e Devaneios Poéticos”

Franziska disse...

Tan bello, tan lleno de ternura y a la vez tan esencialmente sincero. Me gusta.

Hace algún tiempo que hay constancia de que visitaste mi blog. Es verdad que no dejaste ningún mensaje pero estuviste con una frase que me encantó: "no tengo nada que decir, soy poeta"

Estoy encantada del ambiente que se respira en este blog, así que, con tu permiso me llevo el link del blog para estar al tanto de cuando vayas publicando.

Saludos muy afectuosos. Franziska

Mar Arável disse...

Há sempre um alguém

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Maria Luisa!

O sonho que se recusa a morrer, mesmo depois de nele se deixar de acreditar - contradição só aparente, habitando o mesmo ser...

Lindo poema!
Um abraço e boa semana.
Vitor

Vieira Calado disse...

Olá,amiga!
Claro que todos nós vamos mudando!
Faz parte do mar e da terra
do golfinho e do homem...
*
Sabe que, amanhã, dia 28, terei um novo livro apresentado
na Feira do Livro de S. Paulo?
Foi editado no Rio de Janeiro...
Beijinho para si!

Graça Pires disse...

A melancolia entrou no poema. Mas passou pelo mar onde te encontrou...
Um beijo, amiga.

Marilu disse...

Olá querida amiga, como vai? Estou meio afastada do blog em virtude da gravidez da minha filhota, agora que minha netinha nasceu estou voltando. Postei uma fotinho linda da Maria Julia, gostaria muito de receber sua visita. Beijokas

Manuel disse...

Belo mas tão nostálgico !
Afinal os poetas vivem, um pouco, das nostálgicas.

Maria Luisa Adães disse...

E vivem mesmo "das nostálgicas"...sem isso o Poeta morre!

Beijos, Manuel

Maria Luísa

vendedor de ilusão disse...

Você, com sua criatividade poética, é de encantar!
Tenha um excelente final de semana.

Ana Tapadas disse...

Encantador, boa amiga!
Que bom tê-la reencontrado...minha vida é o que sabe e só posso mesmo retribuir as simpáticas visitas.

Beijo

Evandro L. Mezadri disse...

Muito bem escrita, triste e poética!
Grande abraço, sucesso e ótima semana!