quinta-feira, 7 de outubro de 2010

DIREITOS ESQUECIDOS

Discutiu-se o teu futuro
Nas grandes Assembleias
E todos deram o seu apoio
À tua felicidade,
Mas os teus Direitos
Foram esquecidos,
Dos que têm de pensar
Em coisas mais sérias.

E tu interrogas a Noite
E a solidão
Dessa mesma noite
E a incerteza
Do próximo Dia.
                                               
A Estrada continua
À tua frente,
Apenas ela
É a tua realidade.

Nada te pode dar
O que os homens
Te levaram!

Comes a poeira
E a miséria...
Quem te espera?
Apenas o sofrimento
E a Guerra
E tu sabes...
Aprendeste essa lição.

Meu Amigo,
Onde estão as flores
Numa terra metralhada?
E os teus filhos...
...Os muito abandonados
E não foram sepultados,
Nem rezados,
Apenas queimados
Dilacerados.

Foi este o teu Mundo?

Possam as gerações vindouras
Estudar o teu caso
Noutras Assembleias
E descubram
As razões reais
Do teu abandono.

E encontrem os culpados
Para serem julgados.

A História vai analisar
Em breves palavras.

Mas tens Direitos
Que desconheces!...

Isso eu tenho a certeza!

Leva a rosa escondida no meu peito...


Maria Luísa


             
                    Liu Xiaobo/ Prémio Nobel da Paz / Setº. 010



60 comentários:

Isa disse...

Através dos esqueceram-se os "direitos".
Tds os temos,é verdade. Mas será que
serão reconhecidos?
Não serão lembrados apenas pq dá jeito,num determinado momento?
Beijo.
isa.

Maria Luisa Adães disse...

Isa

Penso que sim!

Beijos,

M. Luísa

Manu disse...

Olá Maria Luísa!
«Se eu não gostar de mim, quem gostará» aplica-se na perfeição a este seu belo texto. Nos dias que correm, só nos são pedidos os "esforços", os "deveres" e não há quem se lembre que também temos "direitos" e cada vez mais temos menos acesso (usufruto) a eles. Beijo.

jabeiteslp disse...

esquecem os direitos dos outros
atropela-se até a razão

um bom dia da Covilhã
que tudo vá bem por aí
xoxos=_=

se eu fosse cirurgião
roubava essa flor...hé hé hé

Maria Luisa Adães disse...

Manu

Verdade o que dizes!

Onde estão os Direitos de cada um... Esquecidos? Só pode ser!...

Beijos,

Mª Luísa

Maria Luisa Adães disse...

Jabei

Tinha saudades tuas. Outra vez me ausentei.

Mas se queres, leva a flor simbólica que escondo, no meu peito.

Maria Luísa

MC disse...

"Onde estão as flores
Numa terra metralhada?

E os teus filhos?

não foram sepultados,
Nem rezados..."

A isto eu chamo um belo poema
Humanistico e a pergunta certa, nos
tempos que correm e em todos os tempos.

M.C.

Sonhadora disse...

Minha querida
realmente onde foram parar os direito, estão esquecidos num sitio qualquer, onde se perdeu a chave.
Lindo e profundo o teu poema.

Tinha saudades de te ler.

deixo o meu carinho e um beijinho
Sonhadora

Maria Luisa Adães disse...

Sonhadora

Já respondi no teu blogs, mas não fui aceite.

Dentro da beleza que escreves e na
confusão de amigos, te lembras de mim!

Grata por tua companhia.
Uma vez mais, estive fora.

Beijos,

Mª. Luísa

Ingrid disse...

belas palavras para refletir nosso momento. Bom te ler!
Meu carinho e um beijo.

Maria Luisa Adães disse...

Ingrid

Fui ao teu blogs, mas não fui aceite (hoje tem sido assim).

No momento que estamos a atravessar
é urgente que se escreva:

"Direitos Esquecidos"

Assim o fiz por todos que ao longo dos séculos, têm sido esquecidos e
maltratados.
Chegou ao Século XXI.

Quando me aceitarem, te escrevo!

beijos,

Maria Luísa

jabeiteslp@sapo.pt disse...

e depois terás que relembrar
a ortodoxia de pensar
ensino só para DIGNOS
do bem estar

até se apropia em parte
ao actual
mas em 1910 imagina
teremos capacidade de tal ?
imaginar
ou simplesmente melhor
ignorar ?

beijinhos e feliz tarde*_*

LHÚ WEISS disse...

Sempre que passo por aqui é uma nova surpresa...ou não! afinal, como sempre você sabe escrever lindamente!
Abraços
Lhú Weiss

Maria Luisa Adães disse...

Jabei

Muito difícil responder;

não te entendi - explica melhor!

M.L.

jabeiteslp disse...

o como as pessoas viviam
escravizadas
nas grandes cidades nem por isso
mas tirando o litoral
era o que queria fazer-te imaginar

existia escravidão...

beijinhos Luisa

gostei das imagens do barco
na grande tempestade...muitoº_º

OutrosEncantos disse...

Olá Maria Luísa,
Sim, quase sempre os direitos são esquecidos, porque todo o mundo acha que pode decidir da vida dos outros sem qualquer contemplação.
Muito bom o teu poema, como aliás sempre são.

Percebi que tinhas ido de férias, espero que tenham corrido bem.

Beijo.

jabeiteslp disse...

sabes porque nasceu um bébé
todo queimadinho
no Hospital da Covilhã ?

hé hé hé

feliz noite Luisa+_*
beijinhos

não queria magoar
fosse que princípio
teu...

Marilu disse...

Querida amiga, linda poesia. Beijocas

Daniel Costa disse...

Maria Luisa

Embora se possa (deva mesmo) deduzir haver muito quem desconheça os seus direitos, nem sempre será assim. O que há são muitos homens a espezinhar os seus deveres. Parecem esquecer a simples palavra humanidade, que nos devia reger a todos.
Belo poema de apelo!
Beijos

pekenasutopias disse...

Este poema é novo para mim! Gostei muito, amiga, desta tua abordagem social e humanizadora. Quantos de nós enfrentarão todo um percurso de vida sem terem, sequer, tido a noção de terem direitos? E tu pintas magnificamente este quadro de profunda carência;


"E tu interrogas a Noite...
E a incerteza
Do próximo Dia"

uM GRANDE ABRAÇO!

Maria Luisa Adães disse...

Pekenasutopias

Este é o meu outro lado do espelho,
uma outra faceta ligada ao humanismo e amor, aos que nada têm.

Por vezes surpreendo, os que me conhecem!
Este é o meu outro lado, talvez melhor e mais forte, mas menos
romântico - é certo.

Agradeço gostares desta minha outra faceta, não muito apreciada.

Mas tenho um livro publicado com o
nome "Não Sei de Ti" (esgotado) e
o poema veio daí, pois por nosso mal, continua actual.

Agradeço

Mª. Luísa

Ana Tapadas disse...

Levar a rosa escondida no peito é uma imagem linda no teu poema e diz que, apesar do tom geral, ainda poderemos ter esperança.
Lindo!
Beijo

Maria Luisa Adães disse...

Ana

É isso mesmo! Há sempre a esperança
e a rosa simboliza essa esperança,
de um retorno a um tempo melhor.

Beijos e obrigada,

Mª. Luísa

Vozes de Minha Alma disse...

Minha amiga Adães, é sempre um prazer recebe-la no Vozes.
E trago para ti, esses vesos, como um presente de louvor e gratidão.
Quanto ao teu poema minha querida... quanta semelhança com os garotos daqui, do Rio de Janeiro, e da Palestina... É triste...

Elementos

Ele viaja ao sabor dos ventos
Não perde jamais sua vocação
Na direção dos movimentos
Materializa os sonhos e emoção

Enquanto dura uma estação
Enquanto a vida transcorre
Enquanto anseia a inspiração
Criando tudo Ele percorre.

E mais: É ele que concede a vida
Cada vez que manifesta os sentidos;
Prazer de amar, e da manifestação.

Na terra, no fogo, na água, e no ar.
Misturas das essências divinas,
Do amor, transbordando de paixão!

Abraços, Beijos.

poetik disse...

Belissimo poema este. Pena é, que o Homem pouco tenha aprendido com a história, ao ponto de se tornal uma repeticão de uma má memória...

atentamente...

jabeiteslp disse...

e viva a Liberdade

yupiiiiiiiiii

feliz fim de semana
beijinhos´^_^`

Pelos caminhos da vida. disse...

Onde foram parar os direitos?

Perfeito post Maria Luisa.

Obrigada pela sua companhia.

Bom fim de semana.

beijooo.

Anónimo disse...

"Mas tens Direitos
Que desconheces!...

Isso eu tenho a certeza!"

Bravo, poeta, vieste ao encontro do povo e da realidade desse povo!

Te congratulo!

A.

poetik disse...

Será para mim uma honra e prazer fazer parte de seu nucleo de amigos... já adicionei o seu blog...


atentamente...

Vitor disse...

O direito te reconheço de culpada não seres
Que outros sejam julgados por não serem bons seres
A palavra em ti é lei em doutoramento
E como lamento por vezes o descontentamento
Que te assola o espírito, e te pões em isolamento
Mas isolada ou não, não perco a ocasião
De te estender a mão, e aconchegar o coração
Outros não o merecerão

Bj*

Fernanda Barcellos disse...

Maria Luisa, minha querida!

Acabamos nos perdendo d ecerta forma por esse dias...
Mas saiba que não fugi de ti e nem quero que tu fujas d mim!

Acabei removendo meu blog sem querer e fiz outro. Gostaria muito que vc estivesse no meu novo refúgio.

http://enomeiodafuga.blogspot.com/

Beijos e muita luz pra ti.

Fernanda Barcellos disse...

"A Estrada continua
À tua frente,
Apenas ela
É a tua realidade."

A estrada continua...

Lindo.

Beijos

poetik disse...

Seria um prazer tambem a sua participação no meu desafio poético...

atentamente...

Malu disse...

Muito mágico seu blog , Maria Luisa !


Bjo e uma Tarde Serena ...

jabeiteslp disse...

o melhor dos fins de semana
faz um frio danado
tou tremelicado
e numas águas ardentes acalorado`^_^`

~^_^~ jocas

Malu disse...

Maria Luisa


Obrigada por sua presença ,
me fez feliz !


Suas poesias são belíssimas , fiquei encantada ,de fato.


Bjo.

poetik disse...

Venho agradecer a sua participação...

Tambem não sou muito dado a competições mas foi uma forma simpática de festejar meu aniversário oferecendo meu livro a alguem...

Não entenda como competição mas sim como um momento de partilha...

atentamente...

Maria disse...

Amiga, excelente poema. Os direitos podem existir no papel, mas penso que muitas vezes só são lembrados para defender interesses particulares.
Tenha um sereno e feliz fim-de-semana.
bjs do tamanho do infinito,
Maria

tristeeso.blogspot.com disse...

OLÁ amiga Maria Luísa. Li atentamente o teu, poema e fiquei sensibilizado, como não podia deixar de ser. Mas por infelicidade nossa, vivemos num país, onde a palavra direitos caiu na corrente do Tejo, e já saiu a barra para fora há mais de 30 anos. Onde Estão os teus direitos? Onde estão os teus filhos? É uma tristeza, que estas perguntas, tenham que ser feitas, tantas vezes e sem qualquer eco. Fé em dias melhore. Um abraço deste amigo Eduardo.

Mgomes - Santa Cruz disse...

Maria: lindo poema, mas sabes como dizes todos nós temos o nossos direitos, mas por vezes são esquecidos.
Beijos
Santa Cruz

Lilá(s) disse...

Boa altura para falar de direitos...boa poesia!
Bjs

Cadinho RoCo disse...

Do peito pétalas perfumadas pelo coração em flor.
Cadinho RoCo

José disse...

Olá Maria Luísa!

Eles roubaram-nos os direitos, e até a dignidade de viver, e agora não temos direito a nada.

Resto de bom domingo
beijinho,
José.

Maria Luisa Adães disse...

José

Verdade o que diz:

"e agora não temos direito a nada"


Beijo,

Maria Luísa

Anónimo disse...

E como por um acaso, os governos
nos mostram que aquilo que diz
tem senso, verdade e continua a
acontecer.

Eis o seu poema a acompanhar, o
Nobel da Paz.

Direitos Humanos, igual,

a PAZ.

Assim afirma a Noruega!

A.

rouxinol de Bernardim disse...

Há que contextualizar as coisas...
Há certos momentos em que importa reflectir...

Maria Luisa Adães disse...

Rouxinol de Bernardim

Certo! O momento é para pensar,
reflectir e traduzir sentimentos
e verdades, através de poesia.
Apenas isso eu posso fazer!

Beijo e agradeço,

Mª. Luísa

Professora Carla Fernanda disse...

Bom dia! Vamos defender e reinvidicar nossos direitos, cada vez mais.Te desejo um ótimo domingo!
Carla Fernanda

Sonhadora disse...

Minha querida
Passando para deixar o meu carinho e um beijinho.

Sonhadora

Maria Luisa Adães disse...

Sonhadora

Obrigada por teu carinho.

beijos,

Mª. Luísa

Graça Pereira disse...

Querida Luisa
Gostei do teu poema forte e conciso!
Gostei dos "Direitos esquecidos" a finalizar com a foto do Nobel da paz, numa mensagem que diz tudo!
Por fim...rosa branca ou vermelha ao peito, a todos quer bem...Não era assim que cantávamos quando começávamos a viver a esperança?
Guardaste-a escondida no teu peito para no-la dar neste momento preciso em que a esperança começa a morrer!
Este é um poema oportuno e BELO!
Beijos
Graça

Maria Luisa Adães disse...

Graça

Gostei muito do teu comments.
Bem analisado, bem escrito, estudado com minúcia.

Veio por coincidência ao google, de
um livro meu "Não Sei de Ti" lançado há dez anos (esgotado).

E entrou no tempo certo, na hora certa.!
O Nobel Norueguês disse que há muito consideravam os "Direitos
Humanos, igual a PAZ".

E o poema nos mostra que continua actual, neste tempo de dez anos.

Os Direitos Humanos igual a Paz,
continuam a ser:

"Direitos Esquecidos"

Grata, por tão bem entenderes o poema.

Beijos,

Mª. Luísa

Monja de Clausura Orden de Predicadores disse...

Buenas tarde amiga María Luisa:
Me hubiera encantado poder leer sus poemas, el traducctor de la barra de GOOGLE hoy está perezoso.
pero he mirado su blog, he intentado meterme en espíritu en cuanto hay de usted escrito.
Hoy tengo en mi post un poéma místico, creo que le gustará.
Reciba mi ternura
Sor.Cecilia

Maria Luisa Adães disse...

Irmã Cecilia

Muito me sensibilizou sua presença
e sua Oração que tive o gosto de ler e de meditar.

Com ternura Irmã,

Maria Luísa

Anónimo disse...

E são tantos os direitos esquecidos

E no entanto, o Nobel Norueguês

há um tempo que estudava a semelhança entre "Direitos humanos" e "PAZ".

Eu sei te conheço que foi uma coisa acidental o saír deste poema
e a escolha do Nobel da Paz.

Nada tem contigo!...

Mas os "Direitos Esquecidos"
têm a haver, com toda a Humanidade
e em qualquer parte do Mundo!

Lembrem~se disso!

Antos

Janita disse...

Olá Maria Luisa.

Todos os direitos humanos e não só ( dos animais, também.) foram, são e serão esquecidos, enquanto o egoísmo, a maldade e os interesses pessoais prevalecerem, em detrimento do bem-estar comum.
Fizeste uma referência final, muito oportuna, a Liu Xiaobo Prémio Nobel da Paz, neste teu poema, justamente porque este homem pugnou e levantou a voz pelos direitos do povo chinês.Por isso lhe roubaram a liberdade.
O nosso Zeca Afonso já escrevia e cantava que "Não há machado que corte a raiz do pensamento..." e tu minha amiga, com os teus pensamentos em forma de poesia, vais gritando aos quatro ventos os "Direitos Esquecidos".
Que bom seria se eles fossem ouvidos e respeitados, por quem os pisa e os ignora...
Beijo, amiga.
Janita

Maria Luisa Adães disse...

Janita

Que bom seria que os

Direitos Humanos e os dos Animais

deixassem de ser:

"Direitos Esquecidos"

Obrigada pela tua Homenagem ao,

Nobel da Paz, ao meu poema e pensamentos e a josé Afonso.

Maria Luísa

Anónimo disse...

Muito bom! Brilhante forma de escrever.

ANtos

Anónimo disse...

Só hoje poude chegar aos 7 degraus.

E não podia deixar de referir

os "Direitos Esquecidos".

Que realidade tão triste e tão bem escrita e analisada.

Graças pelo seu humanismo.

César

MC disse...

"Direitos Esquecidos"

Profundamente humano!

MC