domingo, 20 de junho de 2010

VIVER

É na realidade que vivo
É para ela que tenho de voltar
Quando as asas cansadas
Não podem mais voar.

Tenho de viver sem sonhos
E transformar todo um destino
Que ao nascer, me proibiu de tudo.

Mas não sei como o fazer...
Pergunto ao vento,
Ele não sabe responder.

Pergunto às aves
E delas me amedronto
E elas sabem, porque fujo delas.

Deus não me pode dizer como viver,
Tenho de aprender
E não sei, como aceitar o morrer.

Não culpo nada nem ninguém!

Alguns culpam Deus de tudo,
Outros culpam sua sorte,
Eu me culpo a mim,

Na espessura da multidão
Que me envolveu.

Como posso estar viva,
Como posso descer escadas,
Perder minha vida,
Ter um rosto no mundo
Afundar um destino
Há muito afundado?

Como posso viver meu amor
E não te culpo de nada...

As culpas são minhas
Apenas minhas, são as culpas!

Sinto-me igual à solidão
Na procura,
De uma face iluminada.


Maria Luísa

21 comentários:

Maria Luisa Adães disse...

Como posso estar viva

depois da partida?

M. Luísa

Janita disse...

Olá Maria Luisa.

Qualquer partida nos faz morrer um pouco...

Só quando a Maria Luisa permitir a si própria que a sua face se ilumine, emcontrará outras faces iluminadas.

Beijo carinhoso da Janita

Lídia Borges disse...

Maria Luísa,

Sonhar é uma forma de fintar a vida, quando ela se mostra pouca e fria...
Fintemo-la então valorizando o que é pequeno: uma música, uma flor, um livro...


Um beijo

beites disse...

há que serenar
amnhã
de novo mais um dia vai recomeçar..

beijinhos~_~

Maria Luisa Adães disse...

Beites

Difícil seguir teu sábio conselho,

mas vou tentar.

Obrigada por me visitares.

Beijos

M. Luísa

MC disse...

Sim continuas viva e escreves para ti e para mim e para quem gosta de ti.

Segue em frente como heroína viva.

Só não te entende quem te não conhece.

eu sei da tua sensibilidade,
sei ler tuas entrelinhas,
sei como ficcionas o mundo em ti
e dás a ilusão de falar de ti e falas dos grandes males do mundo.

Mas este belo poema intimista é teu
apenas teu - tenho a certeza.

Fluente e verdadeiro como sempre.

Mas neste, falas de ti!

Um abraço,

MC

Anónimo disse...

Em águas de eternamente se desenvolve o teu "Viver"...

Pergunto a mim próprio:

"É tudo imaginação?"

Mas sei e sinto que tudo é memória
de ti, de mim, dos outros.

Mas esta és tu!

Beijos, poeta amiga,

Ulisses

Daniel Costa disse...

Maria Luisa

Em Primeiro lugar achei o poema magnífico e dentro da tua linha, mas confesso achá-lo nosltágico, escrito por alguém que está menos bem.
Evidentemente, nada de culpados, em todo o caso, temos sempre a poesia, como desabafo e refúgio.
Depois a fé salva.
Daniel

beites disse...

uma feliz noite Luisa
beijinhos~_~

Vitor disse...

Viver com culpa ou solidão
É também ter razão
Não fosse ELE um cristão
E muita esperança,Maria,tens bom coração!

Bj*

tossan® disse...

Belíssimo! Tudo de bom!

Fátima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fátima disse...

Maria Luisa,
Deixei de sonhar por muito tempo, com isso fiz um livro de páginas em branco. Não sonhar é perder a vida.

Linda tua poesia...me fez lembrar...

Vir aqui é sempre um prazer.
Beijos

Humana disse...

Olá Maria Luisa,
agradeço a sua visita e comentário no meu espaço.
Identifiquei-me muito com o seu sentir e sem dúvida que é uma poetisa!
Sou já sua seguidora e vou linká-la no meu blogue. Virei sempre!
Um beijo, Ana Casanova.

Maria Luisa Adães disse...

Humana

Agradeço sua gentileza ao me adicionar.

Estive no seu espaço de poesia e amei.

Deixei meu comments e regressei.

Agradeço,

Maria luísa

jabeiteslp@sapo.pt disse...

olá
como tudo vai bem
desejos de uma boa tarde tambem...

beijinhos Luisa~_~

Maria Luisa Adães disse...

jabei

Grata pela poesia ao desejar,

"Uma Boa Tarde"

Com amizade,

Mª. Luísa

lili laranjo disse...

Linda poesia
Queria ...
que fosse só poesia...

Um beijo

lili laranjo disse...

Maria Luisa

e como foi bom ver o seu versejar...


um beijinho

e esperemos que esta bola de gente crescida seja o nosso orgulho.ontem falou-se Português pelo mundo...Foram os 7 degraus

Mona Lisa disse...

Belo poema onde senti nostalgia.
Adorei!

Não sei viver sem sonhos...

Bjs.

Maria Luisa Adães disse...

Mona Lisa

E quem pode viver sem sonhos?

Alguém como eu!

E Luther king disse:

"Eu tive um sonho"...

E o mataram por esse sonho!

Que contradição, minha amiga,

"neste mundo cão"

Obrigada,

Maria Luísa