terça-feira, 7 de dezembro de 2010

A TURBA

Eu estava contigo,
Caminhávamos por entre a turba
Nada nos prendia nesse caminhar.

De mãos dadas,
Absortos na caminhada
Respirávamos o ar.

A Turba conturbava,
Fazia perder o ritmo
Da Caminhada.

Mas nada importava,
Nem a turba
De vozes alteradas.

Nem o patético momento
Tão presente
Que ressuscitava
E o Profeta iluminava.

Olhando as estrelas
Nossas bussolas,
Caminhávamos.

Nada contava,
Nem os que fugiam
Não nos pertenciam!

Procurávamos a paz,
Uma e outra vez encontrada
Uma e outra vez procurada.

Perdidos na turba
Na sombra vaga
Nós caminhávamos.

Procurando não perder
A estrela que nos guiava!

Tudo se diluía ao passar,
Não olhávamos
E aceitávamos.

A turba já cantava,
Não nos interessava
Nada mais contava.

A alma do sonho chegava,
As portas de ouro se abriam
E nós entrávamos.

Quietos e pálidos,
Assombrados
Mistificados
Perdidos
Sem Terra
Sem Estrelas
Olhos fechados
Sem abrigo...

Símbolos e enigmas,
Nós estavamos presentes
A turba faltava.

As sombras corriam
As nuvens resplandeciam
Ao nosso olhar.

Nós pediamos
Deixem-nos passar,
Temos o Amor a aguardar...

Tão longe...
E o tempo é pouco
Para te Amar!


Maria Luísa  ( Brasil)

19 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá Luísa

Adorei!

Senti a ânsia de viver o amor encontrado e partilhado...

Beijos.

Elisa

Sonhadora disse...

Minha querida

O amor partilhado...é o infinito.
Lindo e sentido o teu poema.

Deixo um beijinho carinhoso
Sonhadora

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Maria Luisa!

Grande é este mundo, muitos são os que o habitam.Ainda assim, por vezes conseguimos reduzi-lo à nossa dimensão, ao nosso espaço,apenas àquilo que para nós conta , esquecendo tudo o que existe à nossa volta... desde que o nosso pequeno mundo esteja completo...

Abraço amigo,e boa estadia por terras de Santa Cruz!
Vitor

http://vitorchuvashortstories.wordpress.com/

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Óptima qualidade. Muitíssimo bom...

Bjinho

AC disse...

Há todo um caminho para lá do alarido da turba, que não se compadece com despojos...

Beijo :)

miguxa disse...

Maria Luísa,

Quando o amor se vive com intensidade,tudo o que nos rodeia permanece numa indefinição...

Todo o tempo não chega para abraçar o imenso..

Beijinhos
Margarida

Ana Tapadas disse...

É um poema muito belo, como que saído de um passado que cristalizou...
Beijo

TITA disse...

Ter o amor a aguardar...é de guardar este belíssimo poema.Um grande abraço.

Maria Luisa Adães disse...

A quantos se dignam aparecer
e escrever, eu fico grata.

Responder não me parece possível,
neste instante.

Não esqueci nada nem ninguém!

Obrigada,

Maria Luísa

MC disse...

"A Turba" me parece um poema de alguém que procura a paz e que caminha de continente em continente
e se sente, sempre, bloqueado, por
acontecimentos nefastos que nada têm com a Paz Procurada.

Mas o conteúdo, a forma de o exprimir, nos conta o grande mal do mundo.

A Falta do Amor!...

Ingrid disse...

Querida,
senti tuas palavras..li e reli..
e o amor..
beijinhos brasileiros..

jabeiteslp disse...

"deixem-nos passar
temos o amor a aguarda.." ^~_~^

olá
e a mudança inspira...

que tudo vá bem
e nada nem ninguem
destrua o momento tambem...

jocas Luisa

Vitor disse...

Turba de corar
Em que Adães nos faz encantar
Com palavras tais,como amar
Do poema faz o caminho
que sigo com carinho
mesmo que até ao infinito
Por caminho ser tão destinto

Toninhobira disse...

O amor compartilhado na cumplicidade maravilhosa, que faz romper todas as adversidades.Este é o amor que faz maravilhas.Linda Inspiração.Abraço terno.

Anónimo disse...

A turba implorava
Tu e teu amor seguiam
nada mais contava!

As portas de ouro se abriram
e viram, a ilusão do que buscavam.

Ao longe, a Luz vos esperava...

Belo poema!

Anthos

pekenasutopias disse...

Muito, muito bom, este teu poema, "A Turba"... raramente nos encontramos nas multidões... o ser humano é muito mais parecido com uma manada do que aquilo que gosta de admitir...
nas multidões, a nossa individualidade deforma-se e adapta-se de uma forma tal que, ao mais pequeno estímulo, pode surgir a catástrofe ou o inimaginavelmente belo... mas tu percorres este espaço na multidão sem esquecer a tua individualidade e com um objectivo que se distancia do objectivo geral da turba que, aqui, parece ser unicamente o de existir e ser isso mesmo... turba.
Um enorme abraço até esse longínquo lado do Alântico!

tibéu disse...

Querida amiga Luísa
Recebi a encomenda o que muito agradeço, do coração um muito obrigada. A capa está linda o conteudo ainda não vi, mas deve estar lindo tambem, eu gosto da tua escrita.
Que tenhas encontrados todos bem são os meus votos .
Um grande beijo querida amiga.
Achei este post explendido, e penso que tudo que é partilhado é lindo, eu partilho a minha amizade contigo, até que queiras. gr bj

jabeiteslp disse...

tu tem é cuidado com as piranhas..

boas férias e que tudo vá bem
xoxos da Covilhã

Miss Y disse...

Como vai, Luísa?

Obrigada por sua visita ao meu blog, muito me honrou seu comentário e o texto que mandou em anexo. Aproveito para ressaltar a cálida junção de emoções propostas por suas palavras, parabéns pelo que sempre publica.

Beijos