terça-feira, 24 de março de 2015

SILÊNCIO

Estou tão perto do silêncio                
Que me confundo com ele

Esbocei o arquétipo
distorcido
perdido
alterado

Pelos espelhos prateados
partidos, gravados
num tempo simulado

Olhei e me perdi
Nesse olhar

Amei e te senti rejubilar
Pela minha forma de dar

Mas me cansei
do rumor do amor
da voz que sonhei

Pára e fica no tempo
Deixa-me olhar

Com aquele olhar insensato
do amor que te dei

Espera por mim um dia
mas devagar sem devaneios constantes

De amores impossíveis
Desmedidos
Absurdos
Irreais

Meus olhos fixam o universo
meu coração pára no deserto
de antigos esplendores

E as nuvens
Falam de saudades!


Maria Luísa Adães


Visualizações  :  154

19 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Belíssimo o seu poema!!

Beijo e um dia feliz

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Uma saudade que fica nesse silêncio.

Muito lindo amiga Maria Luísa.
bjs-Carmen Lúcia.

Arnaldo Leles disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucy Mara Mansanaris disse...

Boa tarde Maria Luísa.
Muito lindo e profundo poema... Adoro silêncios, solidões... são tão prenhes de paz, lindo demais o teu descrever, parabéns!
Abraço, lu

Arnaldo Leles disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Graça Pereira disse...

Um silêncio que fala...sem dúvida!
Lindo...como sempre para figurar no próximo livro.
Fico à espera.
Mil beijos
Graça

emanuel moura disse...

Um silêncio lindo onde as palavras exaltam sentimentos ,muitos beijinhos querida amiga.

Benó disse...

As nuvens falam de saudades dos amores impossíveis. Gostei de ler o seu poema. É agradável passar por aqui.

Graça Pires disse...

Confundir-se com o poema, apesar das palavras sentidas...
Um beijo.

Guaraciaba Perides disse...

Um outro tempo, talvez , de ser feliz..
uma saudade e uma espera.Lindo poema!
um abraço

Maria Luisa Adães disse...

E é agradável estar contigo!

Maria Luísa

Carmem Grinheiro disse...

O rumor do amor se se traduzisse em sussurro, quase seria o silêncio.

bom fim de semana, Luisa
bj

Manuel disse...

Magico, intenso e com uma mensagem enorme.
Sou um seguidor atento.
Bom fim de semana.

Mar Arável disse...

Silêncios em voz alta

Evanir disse...

Amiga Maria Luisa.
Um belíssimo poema .
A saudade dói e não tem cura é essa saudade que hoje sinto de você.
Deus abençoe seu final de semana abraços fraternos.
Evanir.

Franziska disse...

Meus olhos fixam o universo
meu coração pára no deserto
de antigos esplendores

E as nuvens
Falam de saudades!

También habla de su nostalgia el corazón que amó y que ya no puede realizarse. Es triste como la niebla que amanece en el horizonte y cubre lo que amamos. Porque amar significó un sufrimiento y sin embargo, es una ausencia que añoraremos siempre.

Siempre traduzco tus versos pero cuando vuelvo a releerlos, prefiero leerlos en tu idioma, me suenan mejor, con una melodía distinta y más hermosa.

Un abrazo querida y lejana en el tiempo que hay que emplear para llegar a nuestros países pero tan cercana en los sentimientos del alma. Alma gemela en la poesía que escribimos.

Manuel disse...

Hoje, só para desejar, uma boa Páscoa!

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

uma Santa Páscoa na certeza de que precisamos de ressuscitar na alegria, na esperança e no amor, todos os dias. Beijinho

Ricardo- águialivre disse...

Boa tarde.
Independentemente da publicação que está fantástica, o blogue http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/, deseja que passe(m) um DOMINGO de PÁSCOA muito feliz - com muito Amor, Paz, Saúde, e muitas amêndoas docinhas - se possível junto da família e/ou amigos de verdade.
Deixo cumprimentos.
Ricardo, Águia_Livre