sábado, 28 de novembro de 2009

PACTO


Fazemos um pacto:

Tu caminhas comigo
Neste campo minado,
Eu caminho contigo
E nos amparamos
Na escolha de lugares
Por onde passamos.

E talvez juntos,
Possamos limpar
Os campos minados
E criar os Prados.

Caminhar nesses prados,
Escrever nossos sonhos
De mudança
Nas mentes
De quem pensa.

E tornarmos estes campos
menos densos,
Mais palpitantes
De luz
E estrelas cadentes,
Descendo, descendo...
E amor constante.


Fazemos um pacto,
Trazemos o Bem alvitado
Pela demência de alguns.


E assim,
Reconstruímos
Este Mundo,
Em que escrevemos.

Maria luísa O. M. Adães

5 comentários:

Anónimo disse...

"Fazemos um pacto"

é um poema repleto de subtileza e de verdade.

Quem bom fazermos esse pacto.

Se possível, eu entro no "pacto".
Parabéns pela sua forma de escrever!

Antos

MC disse...

Sim, há necessidade de reconstruír

o Mundo Virtual em que escrevemos

e ao qual dedicamos nosso sentir

e pensamentos, tal como a Mº. Luísa

faz.

Gostei do "Pacto"!

MC

Anónimo disse...

Fazemos um Pacto,

trazemos o Bem

tentamos esquecer o mal!

belo poema!

Caminhante

Anónimo disse...

"Pacto"

É um poema que fala de verdades

ignoradas. Ou se finge ignorar.

Mas "Pacto" conta em poucas palavras o quie poderia ser contado
numa vida inteira.
a Vida é um "Pacto".

Cada um joga à sua maneira!

Caminhante

Anónimo disse...

Lindo esse pacto!

Adorei...


Druída