domingo, 15 de julho de 2018

VIVER

Assim, enquanto viver
tu estás presente como ser ausente
mas estás presente em mim
continua a viver de uma forma ou outra forma
e eu estou cumprindo o tempo que me resta

Fiquei sem saber a razão de ficar
e se fiquei 
foi por ti
para te acompanhar de uma maneira ou outra 

Quem me entende  continua presente
quem não entende
também não pode entender o mundo
Mas se vivemos e se ficamos nesse viver
Temos de entender e aceitar
e não há 
a voz do amor que sonhamos...

Meus olhos olham as flores
não olham o mar
onde estivemos juntos toda uma vida
para todos escrevo
em todos me vejo e te vejo
mas o mundo está ausente 
de mim e de ti

Um dia voltarei aqui ou noutro lugar
tal como a todos acontece
sabendo que cumpri o meu destino
difícil de julgar
de entender 
sem morrer por culpa minha

E procurarei cumprir e nunca me perder
Na imensidade de um mundo a morrer!


Maria Luísa Adães


Visualizações :   45

15 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Bom dia, querida amiga Maria Luísa!
A gente vive e morre ao mesmo tempo... depende de como se sente.
Há quem nos compreenda com carinho e outros, não...
Fique bem, querida!
Tenha dias abençoados!
Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

Maria Luisa Adães disse...

Rosélia Bezerra

Agradeço, profundamente agradeço.


Maria Luísa Adães

Arco-Íris de Frida disse...

Assim, enquanto viver
tu estás presente como ser ausente
mas estás presente em mim


Lindo poema... tao sensivel que me emocionei...

Beijos...

Maria Luisa Adães disse...

Posso acreditar.
Meu marido morreu fez ontem 3 meses

Agradeço a amizade e desculpe não responder.
Tenho de deixar passar muito mais tempo

Fiquei só
meu filho vive em São Paulo/ Brasil

Deus a abençoe,

Maria Luísa Adães

Larissa Santos disse...

Boa tarde. Poema muito sentido. Lindo demais. :))

:-{ B. C -Poetizando }Juras de amor num alvorecer tão terno.

Bjos
Votos de um óptimo Domingo.

Cidália Ferreira disse...

Poema muito belo, profundo, de uma sensibilidade única!! AMEI!

Especial... A pureza de um abraço, era a carícia (Poetizando e Encantando)

Beijos - Boa noite!

Graça Pires disse...

Sente-se, ao ler, que é um poema dedicado a um grande amor, Amiga. Muito intenso e cheio de sentimento.
Uma boa semana.
Beijos.

Franziska disse...

La noche del dolor es tu compañera y lo será no sabremos por cuanto tiempo. La espera es que llegue también el final y para todos llegará, cuando Dios o nuestra vida pueda, que es cosa que nosotros no podemos decidir. No sabes cuanto lo siento. Por lo que veo, fue cuando yo había cerrado completamente mi relación con los blogs. Tambien he tenido unos malos momentos en mi salud personal y aún no estoy completamente bien. No quería derramar la jarra de la amargura sobre los demás porque todos tenemos penas que afrontar aunque las callemos.

Creo que estar en contacto con personas como tú, querida amiga, me hace bien y hará mis problemas más llevaderos. Por eso he vuelto. Lo que siento es encontrartre tan apenada y con tanto dolor... Siento que la distancia haga imposible que pudiera ir a darte un abrazo, así que tengo que contentarme con enviártelo por correo electrónico, es lo que hay, por mucho que duela la realidad no podemos modificarla, solo, como dicen los budistas, hay que aprender a aceptarla.

Un abrazo lleno de afecto y admiración.




Maria Luisa Adães disse...

Isso mesmo "Aprender a aceitar"...

Difícil
muito tempo vai passar e eu não vou viver tanto tempo,
mas, para mim, a vida continua num outro lugar onde te vou encontrar um dia
e encontrar meu amor desaparecido, também virá a encontrar-me e precisa de aprender
pois eu sei e sinto muitas coisas que ele desconhecia e foi a razão do meu ficar!

Agora sei, muito mais do que sabia
estou a aprender a entrar noutros caminhos
e deixar este caminho isolado que nada me diz!

Cinquenta Anos, foi uma vida
e neste instante sinto que foi importante e saber tanto (para mim é muito) e na realidade é nada, mas sei e acredito no que sei e aprendo mais todos os dias. Agora foi uma prova de que a vida é isto mesmo e muito tenho sofrido, mas estou a aprender a aceitar! E te entendo e lembra,hoje e sempre, eu estou sempre presente para ti,e te prometo que um dia, não sei quando te vou encontrar e te sei reconhecer, aprendi e agora continuo a aprender e todos os dias eu sei, um pouco mais!

Não esqueças o que te digo e aprende a ter certezas e nunca penses duvidar das certezas que são tuas! Um padre amigo me diz " Tu és uma crente muito pessoal " e sou, mas sofro tanto ou mais do que aquele que não sabe nada. Não choro. minhas lágrimas são interiores e estou em Portugal e não tenciono voltar ao Brasil onde tenho meu filho e netas que pouco vão saber de mim, mas isso não me dá infelicidade, mas aceitação.
Cada um tem uma vida ou mais vidas, não sei, para viver! Eu tenho esta a chegar ao fim e o fim é triste, mas espero sempre acordar num outro lugar, desconhecido eu sei, mas não me incomoda.
Meu marido era muito diferente de mim, mas me amou muito e protegeu e toda a gente sabia o amor que ele tinha por mim! Hoje, agradeço aquilo que pensava ser fácil e não era fácil e o acompanhei rodeada de Esperança e lhe dei até Final essa Esperança. Não esperava isso de mim, não sabia, não tinha experiência de morte e o que fiz por ele excedeu tudo quanto pensava e me admiro como "tão tarde me conheci". Continuo a viver com essa esperança e escrever é uma companhia Maior do que o tempo que me resta.
Mas agora, viver ou morrer é igual! Não me interessa, não me amedronta (Não ter medo/significado mais simples do que possa aparecer num futuro que não nos pertence e não me pertence.Escreve sempre que possível, tu escreves muito bem e ainda não sabes quanto "bem escreves". aproveita esse dom que te foi oferecido ao nascer e nuncda percebeste e chegou o tempo de aprender e aceitar!

Um abraço,

Maria Luísa Adães

Maria João Brito de Sousa disse...

Cito-te, Maria Luísa; "agora, viver ou morrer é igual".

Cito-te e não te contrario pois bem sei que sentes o que escreves.

Agora os dias ser-te-ão demasiado pesados e as asas da fantasia não terão forças para te levantar.
Por enquanto.

Outras asas mais amplas te levantarão, depois; as da Poesia.

Deixo-te um longo abraço, minha amiga.

Josélia Micael disse...

Vou tratá-la por amiga, espero que não me leve a mal!
Acabei de lê-la minha querida... pois É!
O livro da nossa vida, vai encerrando capítulos à medida que vamos perdendo os nossos entes-queridos: começa ali novo rumo para a nossa história de vida; a partir daqueles momentos tão dolorosos tudo muda, só não muda o nosso amor, que passa a ser dor de saudade infinita! A partir daí deixamos de ser a pessoa que fomos até àquele dia em que tudo desmorono-ma na nossa vida. É como diz a amiga... temos de aprender a viver com uma realidade completamente diferente daquela em que vivíamos, uma vida, como a senhora diz, e é verdade! Quarenta ou cinquenta anos de vida a dois nunca se esquecem.
Eu ainda estava numa fase de dor que essa não há palavras para descrevê-la... só mesmo quem passa por ela, é capaz de avaliar... a dor da perda dum filho é maior que todas as dores do mundo. A seguir ao fim de cinco anos perde-se o amor da nossa vida, nosso companheiro para o bem, e para o mal(...) mas a vida é isto mesmo! Nós é que temos muita dificuldade em aceitar, aquilo que temos certo na vida.
Minha querida, dizem que o tempo cura tudo, e nós vamos vivendo um dia de cada vez, á espera que ele passe, mas a cura essa não chega nunca. Nós vamos tentando aceitar, e vai ser assim a nossa vida, pedindo a Deus todos os dias força para começar o novo caminho na nossa vida. Deixo-lhe o desejo de que consiga encontrar o seu, brevemente!
Beijos, e muita força!... Que o Senhor lhe ilumine e ajude a encontrar seu novo caminhar! Abraço Fraterno.

Maria Luisa Adães disse...

Amei!


Maria Luísa Adães

IldaCarol disse...

Amiga Maria Luisa adães só hoje tive conhecimento do falecimento de seu esposo . Melhor que eu sabe que nossa vida na terra é passageira.Como diz a amiga é preciso aceitar.
Que Deus lhe dê paz eterna. A amiga tenha coragem e viva o melhor que seja possível .

batista_oliveira disse...

Nunca havia passado por aqui, mas hoje visitando outra poetisa que muito admiro, acabei por navegar até aqui. Sinto que o momento é de algum sentimento de dor por perda e compreendo quanto isso custa, até porque sou médico há pouco mais de 41 anos e lidando com doentes oncológicos no meu quotidiano. Sinto muito a dor alheia e sofro com todos, procurando ser algum lenitivo nas horas difíceis.

Belo poema, como muitos outros seus, que já li, e no meio de tanta dor, os meus sentimentos e também parabéns pelas belas poesias que escreve.
Que a sua dor lhe conceda uma inspiração baseada no amor que nunca morre, mas apenas se volatiliza no espaço dos seus sonhos eternos...coragem!

Maria Luisa Adães disse...

AGRADEÇO, batista_oliveira


Maria Luísa Adães