sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

ELA CHORA!...

Maria Laís Fett/ Brasil
Abandonada
Ela chora

Ali naquele mundo
Na tarde imóvel

Faz perguntas
E o mar não responde

E animais rastejam
Na areia da praia

E esse mundo 
É deles

E não é dela!...


Maria Luísa Adães


Visualizações :  637

13 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Fantástico poema!!

Beijinhos
Bom fim de semana.
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Maria Luisa Adães disse...

Agradeço e a felicito!

O poema parece fácil, mas não é
e foge ao ritmo habitual!


Mª. Luísa

Sor.Cecilia Codina Masachs disse...

Hola María Luisa, un poema para pensar. Nada es de nuestra propiedad.
Paso a desearte unas Felices Fiestas navideñas y dejarte mi beso de ternura.
Sor. Cecilia

emanuel moura disse...

Sempre primorosa querida amiga ,é sempre um enorme prazer aqui estar ,muitos beijinhos felicidades.

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Maria Luísa
Rastejam os animais... de repente, ela também o faz...
Bjm fraterno

Rose Sousa disse...

E o rastejar não é uma humilhação, mas sim um amor que dói... Bjs

CÉU disse...

Olá, minha querida amiga!

Acertou. Isso mesmo! Não sei se se lembra de uma canção de Florbela Queirós que tinha como título: "Eu sou a mesma, eu sou a mesma". Pois é, aí está!

Um poema um tanto diferente dos habituais e só mesmo quem o escreveu sabe o real sentido dele. Há algumas "elas" a chorarem por estarem fora do seu habitat, a todos os níveis. Enquanto isso, outros animais, racionais e irracionais, movimentam-se por onde muito bem lhes apetece. Não vale a pena chorar, porque amanhã é outro dia.

Muito gosto em relê-la e revê-la. Gostou do poema que escrevi? A sua apreciação para mim é LEI.

Beijos e um afetuoso abraço.

Toninho disse...

Na beira do mar a solidão apavora e os nossos medos e fantasias
se misturam ao canto das aguas e sinceramente chora.
Uma inspiração plena na busca do que se chama felicidade.
Uma semana proveitosa e bela amiga.
Meu carinhoso abraço e beijo paz.

heretico disse...

até no choro há dignidade, sem dúvida!

beijo

Franziska disse...

¡Cuánta soledad en el alma describes en tu poema! La compañía del mar por comparación aún profundiza más, hace aún más dolorosa la realidad. Hermoso poema.

Quiero aprovechar la ocasión que me brinda la lectura de tu poesía para decirte que estás siempre en mi corazón, que deseo lo mejeor para tí, que se cumplan tus más hermosos sueños en este año 2016 y que seas siempre feliz en cada uno de los días que están a punto de llegar a tu vida.

Un abrazo muy, muy fuerte. Franziska

Manuel disse...

Com tão poucas palavras é possível tão belo poema.
Senti-me transportado, ouvi a solidão que aquela cadeira vazia nos transmite.
Belo!

Maria Luisa Adães disse...

Olá Manuel

É isso mesmo, o poema transmite a solidão
através de uma cadeira
onde ninguém se senta!


O Mundo muda
as PESSOAS MUDAM
as PALAVRAS ESCRITAS
mudam,

O contexto por detrás das palavras
muda!

Abraço,

Mª. Luísa

filomenafonseca disse...

Ela não pode chorar,a vida tem que ser vivida com a máxima das intensidades,temos que tentar viver cem por cento felizes!! http://cenasemaiscenas29.blogspot.pt